• Artigos

  • Relatos

  • Dicas e
    curiosidades

  • Eventos

  • Dicas de
    viagem

O vinho francês em julgamento

11/12/2009::Christovão de Oliveira Junior


Robert Parker (EUA) - É impossível separar a imagem do vinho Frances da imagem de cultura e de historia francesas. Todas estas características são motivo de admiração. A cultura francesa é querida e respeitada por todos no mundo por causa de seus vinhos, das artes, da moda, da cozinha e pela forma de apreciar as melhores coisas da vida. Por definição os vinhos franceses veiculam igualmente uma imagem da visão que os estrangeiros têm da França: mais relaxados, civilizados, sofisticados e, finalmente, mais agradáveis.

Jancis Robinson (Reino Unido) - A França se especializa na produção de vinhos artesanais vindos de pequenas propriedades familiares, o que é muito simpático em um mundo em vias de globalização. O reverso da medalha é que isto pode contribuir para tornar os vinhos franceses complicados para o consumidor e difíceis de distribuir de forma eficaz. Estes vinhos tem, todavia, uma tendência a se mostrarem mais sutis que os da maior parte dos outros países produtores que são mais lentos na evolução em garrafa e na taça, menos aptos ao envelhecimento em garrafa e, em geral, mais secos e menos ricos em álcool que a maior parte dos vinhos. Isto os torna particularmente aptos para serem servidos durante uma refeição. Enfim, uma característica francesa bem típica reside em certa forma de despreocupação em satisfazer as demandas dos consumidores. Os vinhos franceses continuam, em grande parte, dirigidos pelos produtores e não pelos consumidores.

Jeannie Cho Lee (Hong Kong) - Para um amante ou profissional do vinho baseado na Ásia, a noção de especificidade francesa representa uma realidade. Os vinhos da Alsácia, da Borgonha ou de apelações como Margaux podem ter características únicas identificáveis. Mas para um iniciante, um Bordeaux tinto é frequentemente seu primeiro contato com um vinho. Ou, a maior parte destes consumidores não se aventuram muito longe disto. A especificidade francesa é, portanto, uma força potente, benéfica para as denominações conhecidas e reputadas, como Bordeaux, mas pode ser uma penalização para novas áreas produtoras.

Michel Fridjhon (África do Sul) - A força dos vinhos franceses reside no lugar único dos quais eles vem, quer sejam pequenas denominações na Borgonha ou denominações mais vastas como aquelas do Loire. A forma como a França protege seu patrimônio vitícola é um sucesso indiscutível.

Enzo Vizzari (Itália) - Existe uma especificidade francesa para os vinhos de alta gama (como também existe para os excelentes Barolos e Barbarescos do Piemonte). Mas ela se torna menos tangível, quase insignificante à medida que descemos na pirâmide da qualidade e do preço. Hoje, os consumidores compram vinhos mais baratos, porque eles querem fazer economia. A maior parte não está interessada nem na origem nem no estilo do vinho, que pode ser reproduzido por todos no mundo inteiro.

Bisso Atanassov (Rússia) - Para os russos, o vinho Frances é sinônimo de status social. Nenhum vinho de nenhum outro país, mesmo os mais caros, tem tal poder.

Richard Juhlin (Suécia) - Eu colocaria sem hesitar exclusivamente vinhos franceses na minha lista dos cem maiores vinhos do mundo. Isto não se trata de uma forma de relação amorosa e pessoal com a beleza e a complexidade da paisagem viticola francesa, nem de uma questão de história ou de tradição. O segredo reside na natureza. Encontramos na França uma combinação única dos melhores fatores geológicos e condições climáticas que permitem reunir todas as condições para produzir vinhos perfeitos, em estilos diferenciados.

Eduardo Viotti (Brasil) - A história e as tradições culturais na França incluem a gastronomia, a somellieria e esta alegria de viver que não aparece em nenhuma outra cultura no mundo. Tudo isto é precioso. Na França se pode encontrar toda espécie de vinho e comprar vinhos de todos os níveis de qualidade, do melhor ao mais simples e menos caro. No Brasil, se um vinho Frances é bom, ele será obrigatoriamente caro: nenhuma surpresa possível, nem mesmo de bom. No inverso, se um vinho Frances é acessível, ele é geralmente ruim.


  • Rex Bibendi
  • Enoteca Decanter
  • Vinho Site