• Artigos

  • Relatos

  • Dicas e
    curiosidades

  • Eventos

  • Dicas de
    viagem

Argentina Maio/2010 – Bodega Del Fin Del Mundo

01/11/2010::Christovão de Oliveira Junior

 

Esta foi a primeira bodega a se instalar em Neuquén. Sua construção iniciou em 1996 e seu nome é uma justa homenagem à região na qual está instalada: Bodega Del Fin Del Mundo. Fim do mundo, é assim que muita gente vê a região e também é assim que muitos moradores do local gostam de carinhosamente chamar esta terra mágica. Construir uma bodega praticamente em um deserto foi uma tarefa gigantesca. A área escolhida estava fora da parte irrigada do rio Neuquén e então foi necessário construir 20 quilômetros de canais para a irrigação dos futuros vinhedos.

Toda a implantação representou uma série de desafios a se vencer. Alguns já imaginados e outros que surgiam a cada dia. Os primeiros vinhedos foram plantados em 1999 sendo que os fortes ventos da região obrigaram os engenheiros a improvisar cortinas corta-ventos e a proteger cada planta individualmente para garantir o seu desenvolvimento.

O empreendimento é algo de verdadeiramente grandioso. Seus números podem demonstrar:

Bodega construída em quatro módulos
Capacidade para 8 milhões de litros
200 tanques de aço inoxidável com controle de temperatura
10 tonéis de carvalho com controle de temperatura
100 tanques de concreto
2.200 barricas de carvalho americanas e francesas
950 hectares de vinhedos
Produção anual de 9 milhões de quilos de uvas
Aproximadamente 12 milhões de garrafas anuais.
Vinhedos em espaldeira baixa com irrigação por gotejo
Controlada por computador
Variedades plantadas: Malbec, Merlot, Cabernet Sauvignon, Pinot Noir, Syrah, Cabernet Franc, Tannat, Chardonnay, Sauvignon Blanc, Semillon e Viognier.

O projeto da bodega já levou em consideração a importância do enoturismo e visitas podem ser agendadas de terça a sábado. As visitas guiadas são gratuitas, tem a duração de aproximadamente 1h15m e ao final podem-se degustar alguns dos vinhos ali produzidos.

Além das instalações da Patagônia, a bodega inaugurou em Buenos Aires, no bairro de Palermo um espaço chamado EXPERIENCIA DEL FIN DEL MUNDO concebido para que enófilos possam conhecer os segredos do mundo do vinho e vivê-los com os cinco sentidos.

A vinícola, idealizada pelo empresário Julio Viola desde o início de sua produção teve rápido reconhecimento mundial e hoje exporta para mais de 30 países. Seus vinhos estão divididos em 11 linhas de rótulos, abrangendo diversas faixas de preço.

Os vinhos são divididos nas seguintes linhas: VENTUS, VENTUS ROBLE, POSTALES DEL FIN DEL MUNDO, POSTALES DEL FIN DEL MUNDO ROBLE, NEWEN, RESERVA, GRAN RESERVA, FIN, SPECIAL BLEND, EXTRA BRUT DEL FIN DEL MUNDO e COSECHA DE MAYO.

Infelizmente nossa visita à Bodega foi muito rápida uma vez que a nossa agenda estava simplesmente abarrotada de visitas com horários apertados. Como em cada uma delas a atenção conosco sempre era muito especial os atrasos foram acumulando desde a primeira visita do dia. Desta forma quando chegamos à Fin Del Mundo o horário já estava não apenas estourado como a visita posterior já estava com seu horário quase que terminado.

Entretanto conseguimos fazer uma corrida rápida por parte das gigantescas instalações da bodega e finalmente sentarmos por alguns minutos com o enólogo Marcelo Miras para conversarmos sobre seus vinhos e, claro, experimentar alguns deles.

Marcelo tem a grande vantagem de possuir um grande conhecimento da região. Ele veio inicialmente para a Humberto Canale a convite de Roberto de La Mota e ali trabalhou por muitos anos.

Em nossa conversa, além de muitíssimo amigável, Marcelo foi de uma grande abertura, conversando sobre a produção e sobre seus vinhos de uma forma direta e sem subterfúgios. Por exemplo, falou sem o menor vacilo sobre a utilização de chips e de placas de carvalho em vinhos de linha básica sem o menor constrangimento. É importante frisar que muitos (mas muitos, mesmo) enólogos que utilizam largamente estas técnicas se recusam a admitir em público ou para jornalistas que o fazem. Marcelo fez questão de mostrar que a bodega possui diferentes estratégias nos vinhos que tem preços que iniciam, na Argentina, na faixa de 3 a 4 dólares daqueles que vão a valores muito mais altos nos top de linha. Segundo ele os vinhos da bodega são elaborados para que pessoas de todos os poderes aquisitivos possam encontrar um vinho do qual vão gostar.

Desde 2004 a bodega conta com a consultoria de Michel Rolland que desenvolve um intenso trabalho em conjunto com a equipe técnica da bodega.

Entre os vinhos que degustamos aqui estão os que eu consegui fazer uma avaliação e anotação (clicar nos vinhos para ver avaliação):

  • Extra Brut Del Fin Del Mundo
  • Postales Sauvignon Blanc-Semillon 2009
  • Postales Malbec 2009
  • Postales del Fin del Mundo Roble Cabernet 2009
  • Fin del Mundo Single Vineyard Malbec 2007
  • Newen Pinot Noir 2007
  • Fin Single Vineyard Pinot Noir 2007
  • Special Blend 2006
  • Apesar do pouco tempo da visita, mais um local especial que tivemos o privilégio de conhecer. Acredito que uma boa forma de terminar este relato é utilizando as palavras que se podem ler nas garrafas de Postales Del Fin Del Mundo:

    “Toda a mística que envolve nossos vinhos emana do lugar em que nos encontramos. Uma região de inóspita beleza em cujas paisagens se podem apreciar intatas as últimas marcas da criação”

    Mais que um postal do fim do mundo isto é Poesia Del Fin Del Mundo!

     

     

    • Rex Bibendi
    • Enoteca Decanter
    • Vinho Site