• Artigos

  • Relatos

  • Dicas e
    curiosidades

  • Eventos

  • Dicas de
    viagem

Amayna, uma jóia ao alcance do paladar.

04/12/2012::Christovão de Oliveira Júnior

Em almoço neste mês de Nov/2012 a Mistral propiciou um encontro com Matias Garcés Silva, proprietário da Viña Garcés Silva, e de seu Diretor Comercial Fernando Vargas. Em um almoço no Ah Bon! foram apresentados cinco vinhos desta que é uma das mais conceituadas vinícolas do Chile.

Clique para ampliar

A Viña Garcés Silva

A vinícola é propriedade da família Garcés Silva, que possui negócios nas áreas de agricultura, gado, refrigerantes além dos mercados financeiro e imobiliário. O fundador foi José Antonio Garcés que ao adquirir terras no Vale de Leyda se tornou um dos pioneiros do desenvolvimento vitivinícola da região.

A crença na qualidade do empreendimento foi tanta que para que se viabilizasse o empreendimento foi necessário que se levasse água em um aqueduto de oito quilômetros com um desnível de duzentos metros.

O Vale de Leyda é um vale paralelo ao Vale Central e se encontra entre a Cordilheira da Costa e o Oceano Pacífico. Na realidade Leyda foi o primeiro vale frio do Chile e da América do Sul.

As primeiras videiras foram plantadas em 1999 em um terreno muito pobre constituído principalmente de argila e granito. O objetivo principal era o de criar vinhos brancos distintos visando exportação.

A vinícola possui hoje cerca de 180 hectares dos quais utiliza para seus vinhos apenas 45 hectares. O resto da produção é vendido para outras vinícolas, inclusive a Viña Montes, da qual a Garcés Silva possui cerca de 25% de seu capital.

Clique para ampliar

A produção

A Garcés Silva possui apenas cinco rótulos sendo dois Sauvignon Blanc sendo que um só passa por inox e outro que passa por madeira. Possui também um Chardonnay, um Pinot Noir e um Syrah.

A bodega tem uma capacidade de vinificação de 285.000 litros em tanques de aço inoxidável e de 120.000 litros em barricas de carvalho francês. A bodega produz 15.000 caixas de vinho por ano.

Como a bodega fica com uma pequena parte de sua produção de uvas, ela pode escolher as de melhor qualidade em cada safra para a produção de vinhos de elevada qualidade.

Seus vinhos têm todos o nome de Amayna (nome pelo qual grande parte das pessoas chama a bodega) e o motivo deste nome é que ele deriva da palavra “amainar”. Como se considera que o Vale de Leyda é responsável por amainar as tormentas que vem do Oceano Pacífico, este foi o nome escolhido para o vinho ali produzido.

A bodega, desde a sua aparição vem provocando um verdadeiro frisson entre a crítica especializada de todo o mudo. Entre as menções que ela já recebeu destacam-se:

  • Considerada “a mais excitante vinícola do Chile” pela revista inglesa Decanter.
  • Robert Parker considera a Amayna como a produtora dos mais finos Sauvignon Blanc da América do Sul.
  • Steven Spurrier já indicou o Pinot Noir da Amayna como “Melhor tinto do Novo Mundo”
  • Seus dois Sauvignon Blanc foram pontuados com 17 e 17+ na escala de 20 pontos por Jancis Robinson

Vinhos que foram degustados (clicar nos vinhos para ver a avaliação):

Clique para ampliar

Clique para ampliar

Clique para ampliar

Clique para ampliar

Clique para ampliar

A degustação dos vinhos representou um momento especial pela qualidade média das amostras. Ficou facilmente demonstrado que se a vinícola aproveita apenas parte do que produz em uvas e se ela se concentra apenas em cinco rótulos o resultado é significativamente grandioso. Os vinhos são diferenciados e encantadores. Os Sauvignon Blanc são uma verdadeira surpresa e com um preço que os tornam difíceis de serem batidos em termos de relação qualidade x preço no mercado nacional. O Chardonnay segue o mesmo caminho e justifica plenamente já ter sido um dos 100 vinhos escolhidos pela revista Wine Spectator para o “New World Wine Experience”.

Os tintos seguem pelo mesmo caminho sendo que o Pinot Noir deriva de videiras de apenas oito anos de vida, o que indica que vinhos ainda mais complexos e saborosos virão nas próximas safras. O Syrah, originado em um clima bem frio, é um vinho que mesmo jovem mostra invejável complexidade e harmonia.

Certamente o nome Amayna ainda vai freqüentar com destaque as páginas das principais revistas especializadas mundiais por muito tempo; com certeza com sucesso crescente.

 

  • Rex Bibendi
  • Enoteca Decanter
  • Vinho Site